Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2013

O Azarão [Markus Zusak]

Sol amarelo, céu avermelhado.
Primeira parte do sol. Franzindo a testa.
Última parte do sol. Um sorriso.
(Markus Zusak, O Azarão, p. 159)
É com esse tipo de poesia que Markus Zusak descreve os sonhos e os dias de Cameron Wolfe, um perdedor. Não tem amigos, obedece tudo que o irmão manda, não há atitude em Cam... O garoto nos narra seus dias e suas noites (em sonhos muito estranhos e belos) nesta história que é o primeiro romance de Markus e cujo protagonista, como diz na orelha, tem um quê de autobiográfico; adoro no resumo a frase final: "uma existência comum - ou seja, extraordinária". É disso que Zusak gosta (e sabe) de falar. É disso que "O Azarão" (Bertrand Brasil, 2012) vive.
Este é um livro que não consegui criar uma opinião de primeira. Foi preciso digerir tudo. Não sei se isso é bom. Mas, refletindo, posso dizer que é agradável e que um fã de Markus (como eu) percebe que é um ensaio para o que será "Eu Sou o Mensageiro" e "A Menina que Roub…

Um Último Suspiro

Santos, 21 de Dezembro de 2012
Cara pessoa que lê esta carta,
Não sei quem você é, não sei nem se alguém vai ler isso. Sei que minha letra deve estar muito ruim, sei que deve estar difícil para ler, mas estou tremendo e embaixo de uma mesa. Não sei se tenho muito tempo.
Poxa, não sei nem se vai sobrar alguém para ler isso!
Estava no carro, chegando em casa após fazer compras no mercado. Aquelas coisas básicas. Antes, tinha ido conversar com um editor. Foi quando estacionei na porta de casa que aconteceu.
O rádio parou de tocar e, chiando, pude ouvir anunciarem aterrorizados que em várias partes do mundo tudo estava sendo devastado.
Eu pensei "Oras, mas aqui não pode acontecer nada. Aqui não dá para ter maremoto, ou terremoto, ou qualquer coisa assim".
Mas estava errado. Quando entrei correndo em casa e liguei a TV, vi a catástrofe. O mundo estava sendo lavado e a sujeira era a vida humana. Não haviam imagens do fim em outros lugares, porque não havia ninguém para filmar. Os…