Pular para o conteúdo principal

O Azarão [Markus Zusak]

Sol amarelo, céu avermelhado.
Primeira parte do sol. Franzindo a testa.
Última parte do sol. Um sorriso.
(Markus Zusak, O Azarão, p. 159)

É com esse tipo de poesia que Markus Zusak descreve os sonhos e os dias de Cameron Wolfe, um perdedor. Não tem amigos, obedece tudo que o irmão manda, não há atitude em Cam... O garoto nos narra seus dias e suas noites (em sonhos muito estranhos e belos) nesta história que é o primeiro romance de Markus e cujo protagonista, como diz na orelha, tem um quê de autobiográfico; adoro no resumo a frase final: "uma existência comum - ou seja, extraordinária". É disso que Zusak gosta (e sabe) de falar. É disso que "O Azarão" (Bertrand Brasil, 2012) vive.

Este é um livro que não consegui criar uma opinião de primeira. Foi preciso digerir tudo. Não sei se isso é bom. Mas, refletindo, posso dizer que é agradável e que um fã de Markus (como eu) percebe que é um ensaio para o que será "Eu Sou o Mensageiro" e "A Menina que Roubava Livros". Já há a poesia maravilhosa que Markus usa para contar suas histórias e já há o tema do garoto que não sabe para onde vai, que apareceu sob outras formas nos seus outros livros.

Pergunto-me se Markus não era assim. Perdido. Isso me faz me identificar muito com ele.


"O Azarão" acaba muito rápido. É um livro rápido. E a história se desenrola rapidamente também. Podemos dizer que é um pequeno retrato de um momento da vida de um garoto que começa a perceber os problemas à sua volta e como eles podem ou não se resolver. Por vezes é um pouco depressivo, pois Cameron é deprimido, além de apático. O garoto só começa a perceber o mundo e a necessidade de começar a viver, realmente, e não apenas de sobreviver, após conhecer a garota de seus sonhos. Não tem como contar muita coisa sem acabar contando a história do livro.

Ao fim, fiquei um pouco triste. Não quero dar spoilers. Mas há algo na história que me entristece. Posso dizer que o final foge ao esperado e é belo, tocante. Ao mesmo tempo, deixa um vazio e um sentimento de "mas já?". É por isso que também estou ansiosa para ler as continuações "Fighting Ruben Wolfe" (que no Brasil será "Bons de Briga") e "When Dogs Cry". 

Mais do que recomendado para fãs de Markus e para pessoas que sabem (ou querem saber) como é estar na pele de um Azarão (aliás, não gosto dessa tradução... azarão não remete tão bem ao significado de "underdog" para eles - por-fora, excluído, deslocado...). Em resumo, é um livro para sentir o crescimento de Markus como autor e reviver o seu próprio crescimento como pessoa, ao ver o menino Cameron descobrir que está na hora de tornar-se homem.

-----------------------------------------

Este livro não ia ser a primeira postagem da nova coluna "Sem Título", mas acabou sendo, pois terminei hoje e estou no mundo dele. Mas já tenho outras postagens em mente, aguardem. Agora, vamos à uma pequena reflexão sobre porque este livro veio ganhar seu espacinho aqui no blog.

Bom, num primeiro momento, está bem na cara: o título ("underdog" é a palavra inspiradora para o blog), o autor (um dos que mais amo na face da Terra) e a história (um garoto perdido na vida que não sabe de onde vem e para onde vai). Assim que descobri Markus com "A Menina que Roubava Livros" tive vontade de ler este livro, pelo nome e por ser o primeiro. Então foi extremamente emocionante quando o ganhei.

Acho que a grande reflexão aqui é quanto ao que estamos fazendo de nossas vidas: será que estamos sendo relevantes para nós mesmos e para as pessoas à nossa volta, fazendo coisas úteis e agradáveis? Será que estamos realmente agindo e vivendo, ou estamos apenas perambulando por aí sem saber mesmo o que estamos fazendo? Será que estamos dando a devida atenção para quem nos cerca?

Estas são algumas coisas que consegui pensar com o livro, mas, mais que tudo, essa história me tocou profundamente com a poesia. Markus escreveu do seu jeito poético em prosa alguns dos sonhos mais lindos e tudo que posso dizer, caro leitor, é que se você se identifica com um dos adjetivos sinônimos à "por-fora", você vai amar o livro. O azarão luta, sozinho, contra o mundo; poderíamos fazer diferente e nos juntar para vencer essa briga.


Comentários

  1. parece interessante. a proposito preciso conversa com você sobre o nosso blog, tive umas ideias. bjs

    http://escritor-a.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem?
    Hoje eu estava procurando algum livro do Markus que não fosse "A menina que roubava livros", pois este, inclusive, já li, e me deparo com seu blog e essa resenha maravilhosa*-* Me identifiquei de cara com o personagem principal, pois também me sinto perdida o tempo todo...

    Beijos,

    ser-escritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo sim, e você?
      Poxa, que bom que gostou da resenha, me sinto honrada *-* Ser perdido é ruim, eu também sou assim (por isso o blog tem o tema que tem rsrs)... Leia o livro, vai gostar :) e, se quiser mais um outro do Markus, leia Eu Sou o Mensageiro (se ainda não tiver lido), é perfeito também.

      Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…