Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

O (nem tão) Invisível Keanu Reeves

Quem nunca ouviu falar de Keanu Reeves? Ou, no mínimo, sabe que existe o Neo do Matrix ou o Constantine? Pois é, Keanu é um ator bastante famoso e bem-sucedido, participou de filmes importantes e de destaque (Matrix é uma trilogia que marcou o cinema) e tem um grande talento.
Mas o que poucas pessoas sabem é que por trás de tudo isso, Keanu é um cara completamente comum, vivendo sem esbanjar seu dinheiro ou fama, sem seguranças ou mansões. Keanu é, como posso dizer... um por-fora!
Keanu vive em um apartamento comum. Usa metrô, sem seguranças ou roupas caras. Doou grande parte do que ganhou com Matrix para hospitais que tratam da Leucemia (porque sua irmã teve a doença e foi curada). Sua vida foi um tanto atribulada, desde criança.
Sempre o admirei muito e fui sua fã e também sempre soube que ele não se metia em escândalos (na verdade era difícil ver fofocarem da vida dele) e que sua vida não tinha sido fácil, além dele ser meio deprimido. Mas isso tudo é o que me faz admira-lo cada v…

A Renegada Poesia

Peraí, antes que entendam algo errado sobre o título, como por exemplo acharem que eu não gosto de poesia, eu gosto sim. Exatamente por isso que estou escrevendo isso, ok?
O título se refere ao fato de que poucas pessoas leem poesia no Brasil. Eu mesma não leio muito (agora tenho lido mais, porque cresci e estudo para lê-las, também, entre outras coisas). O mercado para os poetas é pequenino... De fato, os livros mais lidos são normalmente de autoajuda; ou seja, autores nacionais que escrevem ficção também "se ferram".
Enfim, voltando à poesia: sendo o povo brasileiro uma população que lê pouco, é de se esperar que leia menos ainda poesia; afinal, é um gênero difícil, complexo e pouco divulgado. Não há incentivo nessa área. Então, não há interesse de muitos leitores. É um gênero elitizado. Não acho isso bom; para mim, torna todos os belos versos "renegados"; de que adianta serem apreciados apenas por um pequeno grupo de pessoas, mesmo que esse grupo saiba do valor…

Tag dos Blogueiros

A Rayanne do Xícaras & Palavras me indicou para essa Tag e eu achei uma coisa muito linda ela fazer isso. A Tag consiste em responder perguntas sobre mim, meu blog e a sua criação, além de indicar mais outros blogs; se possível com menos de 100 membros, pois o objetivo é divulgar blogs por-fora desconhecidos.
Portanto, vou indicar logo de cara, porque nem sei se todos vão ler tudo mesmo e acho legal lerem quem eu indiquei. E não vou indicar só blogs pequenos, vou indicar blogs que gosto. E meus parceiros de Contrastes Literários que me desculpem, mas só achei o link de um de vocês rsrs

- Quase Clichê - Wilton Bastos - Na Parede do Quarto - Escritos Lisérgicos - Hey, London

Ok, agora às perguntas!
1. Como Escolheu o nome do blog?

As Vantagens de Ser Invisível [Filme]

Assisti no começo deste ano e foi graças à ele que criei esta coluna. Eu iria escrever este texto como a primeira postagem do Sem Título (que ainda não tinha um nome), mas acabou ficando para trás. Enfim, estamos aqui agora e, o que eu posso dizer... não farei exatamente uma "resenha" ou algo do tipo. Farei uma reflexão. Se você não viu o filme, sinto muito se achar que dei algum spoiler, mas realmente vou precisar descrever uma ou duas cenas e citar uma frase ou outra.
"As Vantagens de Ser Invisível" é um filme excelente, comovente e engraçado, com um ritmo bom e que toca bem lá no fundo. Além disso, podemos considerá-lo um grande símbolo para este blog. Baseado em um livro (de mesmo nome e que eu ainda não li), conta a história de Charlie (que narra a história através de cartas para um amigo anônimo) e como ele conheceu Sam e Patrick e seus outros amigos. Todos deslocados e esquisitos, eles são os invisíveis.

QUE.RER v.t.d.

Eu quero você aqui comigo. Simplesmente quero, sem mais nem menos. Sem por quês, sem lógica ou motivo. Apenas é assim que é. E pronto. Não sei porque discutir o indiscutível, refletir sobre espelho quebrado, sofrer sobre lágrima derramada.
Ainda assim... É aquele aperto na garganta de novo. O sorriso estampado no rosto, mas a garganta inchada como um balão, levando os pensamentos às mais tristes realidades que não quero viver. Os olhos tentam sorrir, mas eles extravasam o que estava oculto e nem dá mais para tentar manter como era... pra quê? Tudo passa, tudo muda, tudo se vai. Seja bom ou seja ruim. Seja belo ou feio, alegre ou triste, salgado ou doce... é a lei. E, por mais rebelde que possa ser, não dá pra contraria-la. 
Por isso, hoje sei que você está longe, muito longe, e que não dá para mudar essa realidade. Mas também sei (o que é uma prova de que me superei) que isso vai passar e, com o tempo, terei você por perto. Por um segundo, um minuto... não importa; sentirei como uma …