Pular para o conteúdo principal

A Renegada Poesia

Peraí, antes que entendam algo errado sobre o título, como por exemplo acharem que eu não gosto de poesia, eu gosto sim. Exatamente por isso que estou escrevendo isso, ok?

O título se refere ao fato de que poucas pessoas leem poesia no Brasil. Eu mesma não leio muito (agora tenho lido mais, porque cresci e estudo para lê-las, também, entre outras coisas). O mercado para os poetas é pequenino... De fato, os livros mais lidos são normalmente de autoajuda; ou seja, autores nacionais que escrevem ficção também "se ferram".

Enfim, voltando à poesia: sendo o povo brasileiro uma população que lê pouco, é de se esperar que leia menos ainda poesia; afinal, é um gênero difícil, complexo e pouco divulgado. Não há incentivo nessa área. Então, não há interesse de muitos leitores. É um gênero elitizado. Não acho isso bom; para mim, torna todos os belos versos "renegados"; de que adianta serem apreciados apenas por um pequeno grupo de pessoas, mesmo que esse grupo saiba do valor que ela possui? A poesia deveria ser de todos.


Por isso a surpresa e felicidade generalizada quando a antologia "Toda Poesia", de Paulo Leminski (poeta curitibano), chegou ao primeiro lugar de vendas na livraria cultura, superando Cinquenta Tons de Cinza, que estava no "top cinco" há um ano. Ao entrar no site, vemos outros livros diferentes na lista, mas todos romances (não "romance" no sentido "casal" da coisa, estou dizendo no sentido "gênero literário") e sendo um deles "O Lado Bom da Vida", que está tendo uma grande procura (principalmente por causa do filme e por este ter sido indicado ao Oscar e levado "melhor atriz").


Então temos na grande Livraria Cultura uma antologia poética superando outros quatro romances que estão "na moda".

Isso só pode significar que de algum modo, por algum motivo, a população brasileira resolveu mudar de gênero; a poesia precisa ter ultrapassado a elite, quebrado a barreira que à deixava "de lado", e alcançado o grande público para poder vender assim. Isso me deixa muito feliz por inúmeras razões, mas principalmente por saber que algo não só bom como diferente está sendo lido. Dá aquele pontinho de esperança de que as coisas vão melhorar.

Essa linda notícia foi tema do "Sem Título" por puro acaso (tinha preparado outra coisa que vai ficar pra semana que vem); mas é um tema bom. Primeiro porque é notícia fresquinha, segundo porque minha classe estava falando sobre as pessoas não lerem poesia nessa segunda-feira e, terceiro, porque até gêneros literários totalmente belos e aclamados podem ser esquecidos pela grande multidão e, ainda assim, ter seu lindo brilho apreciado por aqueles que têm a sorte de conhecê-los.


Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …