Pular para o conteúdo principal

As Vantagens de Ser Invisível [Filme]


Assisti no começo deste ano e foi graças à ele que criei esta coluna. Eu iria escrever este texto como a primeira postagem do Sem Título (que ainda não tinha um nome), mas acabou ficando para trás. Enfim, estamos aqui agora e, o que eu posso dizer... não farei exatamente uma "resenha" ou algo do tipo. Farei uma reflexão. Se você não viu o filme, sinto muito se achar que dei algum spoiler, mas realmente vou precisar descrever uma ou duas cenas e citar uma frase ou outra.

"As Vantagens de Ser Invisível" é um filme excelente, comovente e engraçado, com um ritmo bom e que toca bem lá no fundo. Além disso, podemos considerá-lo um grande símbolo para este blog. Baseado em um livro (de mesmo nome e que eu ainda não li), conta a história de Charlie (que narra a história através de cartas para um amigo anônimo) e como ele conheceu Sam e Patrick e seus outros amigos. Todos deslocados e esquisitos, eles são os invisíveis.

A história mexeu muito comigo; fez-me lembrar, em vários momentos, de mim e de meus amigos, dos nossos momentos e de nossas músicas. De como estávamos seguindo com nossas vidas, como tínhamos mudado a vida uns dos outros... Charlie escreve, eu sou escritora. Todos ouvem músicas boas e que ninguém mais ouve, todos fazem coisas malucas... Qualquer adolescente (e até adultos que tenham boa memória sobre seu passado) que tem um grupo de amigos e se sente meio deslocado se identifica com a história, não há o que discutir.

O filme tem frases e cenas memoráveis, como a da canção do túnel. "Somos infinitos" é algo tão simples e tão real! Descreve todo o contentamento de estar ao lado de quem amamos fazendo algo agradável e divertido. Mas, ainda mais que essa, minha cena favorita do filme, a qual, para mim, resume tudo o que o filme é e que mostra o significado ser um por-fora, deslocado, invisível, é a do baile de retorno.


Charlie está parado com um copo na mão, encostado na parede, vendo todos se divertirem. Uma música alegre e boa começa a tocar e Sam e Patrick surtam. E começam a fazer a dança maluca deles, a "rotina da sala de estar". Então Charlie aos poucos se solta e vai até eles dançar.

Simples e engraçado; e a melhor parte é que eles estão soltando a franga e nem uma única pessoa está olhando para eles. Invisíveis. E felizes.

Para mim essa cena e essa música são perfeitas. Não consigo vê-la ou ouvi-la sem pensar em coisas semelhantes que aconteceram comigo... sem pensar em como eu mesma sou a que fica de lado na festa e as vezes vou lentamente para a pista soltar a franga. Não necessariamente como eles, mas é por aí a ideia.

Ao final do filme eu estava chorando copiosamente, não por alguma coisa triste ou algo assim. Eu chorei pela mensagem e pelo tanto que aquele filme era sublime, a perfeita caracterização de uma realidade. Chorei por pensar na minha vida e meus momentos infinitos, os amores que aceitei, as músicas que toquei e as coisas que escrevi. Chorei porque era tudo verdade. A cada esquina você pode cruzar com uma pessoa que viveu uma ou outra coisa daquelas e você provavelmente nem olhou para a cara dela direito.

Um último comentário antes de concluir: as atuações são magníficas, por parte de todos, mas destaco o trio principal: Logan Lerman, Emma Watson e Ezra Miller. Estupendos. Não tenho certeza de ter visto Ezra antes (ainda preciso assistir "Vamos Falar Sobre o Kevin"), mas obviamente conheço muito bem a Emma e o Logan... você se esquece completamente de todos os outros personagens que eles foram, eles são Charlie, Sam e Patrick. Em momento algum lembrei de Hermione ou de Percy/D'Artangnan e imagino que de Kevin também. Percebe-se claramente o tanto que eles se entregaram para o papel. Foram maravilhosos, totalmente maravilhosos.

Enfim, esse filme é mais um exemplo de que ser invisível não é ruim. Na verdade, é muito bom. Com todas as atribulações, você ainda pode fazer coreografias doidas sem ser notado. Você pode viver livremente. Recomendadíssimo à absolutamente todo mundo, mas em especial à todos que se sentem invisíveis.

Comentários

  1. Esse filme é simplesmente PERFEITO. Amo a Emma desde Harry Potter (AMO TUDO SOBRE HARRY POTTER rsrsrs).
    A trilha sonora é divina, deixa o filme ainda mais comovente/divertido.
    Enfim ;D

    abraços,
    Iago Marcell

    ResponderExcluir
  2. Lindo post, Letícia.
    Vi o filme há pouco tempo, me emocionei muito, me identifico com o Charlie. Me vi muito nele, só que sem os amigos.. É isso, parabéns.

    Leny

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…