Pular para o conteúdo principal

O (nem tão) Invisível Keanu Reeves

Leia a história dele aqui para saber tudo em detalhes.
Quem nunca ouviu falar de Keanu Reeves? Ou, no mínimo, sabe que existe o Neo do Matrix ou o Constantine? Pois é, Keanu é um ator bastante famoso e bem-sucedido, participou de filmes importantes e de destaque (Matrix é uma trilogia que marcou o cinema) e tem um grande talento.

Mas o que poucas pessoas sabem é que por trás de tudo isso, Keanu é um cara completamente comum, vivendo sem esbanjar seu dinheiro ou fama, sem seguranças ou mansões. Keanu é, como posso dizer... um por-fora!

Keanu vive em um apartamento comum. Usa metrô, sem seguranças ou roupas caras. Doou grande parte do que ganhou com Matrix para hospitais que tratam da Leucemia (porque sua irmã teve a doença e foi curada). Sua vida foi um tanto atribulada, desde criança.

Sempre o admirei muito e fui sua fã e também sempre soube que ele não se metia em escândalos (na verdade era difícil ver fofocarem da vida dele) e que sua vida não tinha sido fácil, além dele ser meio deprimido. Mas isso tudo é o que me faz admira-lo cada vez mais: a humildade de saber que não é melhor do que ninguém e a força que possui de superar seus problemas e realizar trabalhos excelentes. Esse é mais do que digno de estar no "Sem Título", pois até mesmo aqueles que não são invisíveis podem viver como um; e essa é uma coisa muito importante que todo mundo que tem um "título" deveria se lembrar.

Sabe o que é essa foto que coloquei dele sentado no banquinho? Sim, é ele sentado num banquinho e comendo. Não sei se é exatamente do dia do aniversário dele, mas enfim, ilustra perfeitamente: uma vez, em seu aniversário, Keanu comprou um bolo em uma doceria e sentou-se na vizinhança para comer, dividindo o doce com cada fã que passava e falava com ele.

A vida é muito mais do que dinheiro, posses e poder (seja lá de que tipo for). É sobre viver intensamente os pequenos e delicados prazeres da vida; como por exemplo sentar-se em um banquinho com um bolo e dividi-lo com quem passa. É sobre fazer um bem, de doar uma grande quantia em dinheiro à partilhar algo, nem que seja um simples sorriso. É entender que problemas e sofrimentos vêm a toda hora, mas não se afogar nisso. A vida é ser mais um no meio de uma multidão de metrô, mas destacar-se por sua pressa de tornar o mundo um lugar melhor.

Não, não posso dizer que Keanu pense assim, porque eu não sei. Mas eu posso tirar essa conclusão do homem simples sentado num banco de parque.

O ator diz, quando perguntam se ele é triste: "Você precisa ser feliz para viver, eu não".

Onde está a felicidade? Será que está no bolo ou na mansão? E realmente precisamos ser felizes para viver? Porque o que seria da felicidade sem a tristeza? Você nem saberia que uma existe sem conhecer a outra. Ele conheceu as duas, certamente. Na verdade, ele está certo: não precisamos ser felizes para viver; precisamos de momentos. Se eles forem felizes, ótimo. Se não, ótimo também. As coisas não precisam se resumir a feliz ou triste.

As coisas podem se resumir num bolo falei dele de novo, certo?

Comentários

  1. Esse é um dos seus textos, que li e tornou-se um dos meus favoritos. Felicidade é um estado de espírito gerado por uma consequência de nossas atitudes. Não é duradoura. Ninguém é feliz vinte e quatro horas. E sabe... Ele tem toda razão: para viver não precisamos da felicidade. Eu penso igual. Precisamos viver. E viver não é fácil. Viver é não esperar recompensas, e nunca deixar de fazer. É raro encontrar pessoas como o Keanu, que vivem por uma paz maior e não por esperar recompensas. Felicidade é relativo. É uma interpretação oblíqua e individual. Afinal, até o homem mais feliz do mundo pode morrer na plenitude de suas venturas enquanto o mais infeliz ou "vazio dessas sensações" goza de longevidade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…