Pular para o conteúdo principal

Quatro Anos do Outro Por-Fora!

Este amigo canino está fazendo 4 anos em
grande estilo, não é mesmo?
Hoje o blog faz quatro anos e muito aconteceu por aqui... Ele ainda não bomba na internet, mas isso combina tanto com ele que sei lá. Vale a pena pelo fato de os poucos leitores que tem serem tão maravilhosos.

Eu podia falar da história do Por-Fora, da minha vida, dos textos, de tudo. Mas vou simplesmente contar para vocês como agradeço a cada um pelas visualizações, comentários e todo o apoio que tem dado; isso é muito importante para mim e me deixa muito feliz saber que alguém se identifica com meus textos.

Como comemoração, provavelmente farei em breve uma surprezinha e espero que gostem. Além disso, semana que vem o blog deve ganhar um design novo e, mais para frente, quem sabe, eu não comece a colocar algumas ideias em prática...

Bom, quero dizer, leitores lindos e maravilhosos, que é uma honra tê-los aqui. E quero pedir apenas duas coisinhas a mais: aqueles que são fantasmas (vem, olham e vão embora, bem que nem no Vida de Inseto que eles vão, comem e vão embora) e nunca comentam, ou só dão feedback quando me veem online, por favor, POR FAVOR, eu cansei de implorar para vocês comentarem no post. A emoção do momento é muito melhor e mais completa, quero ver o que vocês pensaram e sentiram. E não venha com desculpa que não dá pra comentar, porque eu configurei para dar e até expliquei no texto-pré-caixa-de-comentários como é que funciona.

A outra coisa que queria pedir é que se você realmente gosta do meu blog e se você acha válido que outras pessoas leiam, divulguem para os amigos. Eu faço minha parte, até meus amigos tá ficando difícil, então se você quiser me ajudar e arranjar uns amigos seus pra fazer parte disso, agradeço.

Enfim, são quatro anos de Por-Fora, muita história, muito texto... colocarei um texto de cada ano que eu goste muito e um texto de cada ano que tenha sido badalado. Aí vem os dois Top 4 anos:

Top da Autora (dificílimo de fazer):

2009 - 10 Vergonhas Alheias (originalmente postado em uma página, transferido para um post)
2011 - Tempestuosamente & Rosto Manchado de Tinta (um pequeno empate técnico)
2013 (até agora) - QUERER v.t.d

Top dos Leitores (não necessariamente relacionado com o top 5 na barra lateral):
2010 - Chá de Cadeira (está no top 5 mas é tão histórico e tão lembrado que teve que vir parar aqui)
2011 - A Música da Estrada (foi um dos mais lidos daquele ano)
2013 (até agora) - Um Último Suspiro (ganhei uma caneca-prêmio por ele, tinha que estar aqui)


Muito obrigada a todos por esses anos e por esses 126 (com o que você lê agora, 127) posts!
Feliz aniversário, Outro Por-fora!

Comentários

  1. Parabéns pelos 4 anos desse teu blog!

    Que festejemos muitos outros mais! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Todos esses quatro anos, em que tenho acompanhado o blog, inicialmente tímida e agora (acho que posso dizer isso) já "de casa", eu só tenho aprendido. Eu não sei se parece absurdo à ti, mas eu tenho uma conexão forte com o 'Forinha'. E ainda mais com a blogueira. Lets é a amiga que me compreende pela alma, e eu juro que nada me tira da cabeça e do coração a ideia de que em algum outro tempo nós nos conhecemos. Enfim... Somente olhos nos olhos eu poderia expressar o que sinto: a minha completa e total admiração. Sei lá... Talvez por termos coisas em comum, talvez pelos nossos escritos que sejamos tão próximas independente da distância. Muito boa a escolha dos textos! Já li todos e os adoro!Tem comentários meus em : 10 vergonhas alheias, Tempestuosamente, Rosto Manchado de Tinta, Ser Chocolate, O soldado e a menina, Chá de Cadeira e Um último Suspiro. *-* Ai garota, esse mundão é TODO seu!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, filha, pelos quatro anos e bons textos e muitas inspirações! Quantas vezes me emocionei às lágrimas ou gargalhei até as lágrimas também! Continue perseverando neste caminho, que você vai alcançar o sucesso como escritora,com certeza! Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns um tanto atrasado guria. Sucesso com o blog sempre :)

    bj

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelos quatro anos de blog..
    Não conhecia o espaço (primeira vez aqui e adorei), mas acredito que muitas coisas boas tenham passado por aqui nesses quatro anos, te desejo muito sucesso e que muitos anos ainda venham.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Eu odeio gripe

Sabe, eu poderia falar de muitas coisas. Poderia falar do aquecimento global, das eleições, das pessoas babacas... Mas não.

Vou falar da minha garganta.

Porque estava indo tudo bem. O frio estava chegando sem nariz escorrendo, garganta inflamada ou coisa assim. Eu ia montar um altar pra alguém (não sei quem, mas ia) em comemoração a isso, porque é um milagre eu não ter ficado com absolutamente nenhuma marca da mudança de tempo.

Mas então hoje, do nada, minha garganta ficou irritada.

Sabe quando fica difícil de engolir, coça, e parece que você poderia tossir para sempre? É assim minha situação agora.

Eu, pessoalmente, acho que é castigo. Porque, mentalmente, "caçoei" das pessoas que tinham ficado assim. Não foi bem um "ahaha, você está doente e eu não". Na verdade foi mais um "nossa, ele tá doente e eu tô na boa!".

E agora aqui estou.

E, sabe o mais cômico? Tá um frio do caramba e a única coisa que alivia minha garganta (comprovado por mim mesma ao longo do…

Real Demais

Caminhou tremulamente até a ponta. Olhou para baixo e viu o mundo. Estava tão no alto, tão superior às pessoas e carros minúsculos lá embaixo... Até os outros prédios pareciam pequenos. Resolveu sentar-se.

Sua espinha congelava enquanto se movia lentamente, para sentar-se. Precisou forçar tanto sua coluna para baixo que sentiu que ela era um pedaço de gelo quebrando-se. Seu braço estava arrepiado. Ela odiava alturas.

Não poderia arriscar olhar para cima, porque seria tão ruim ou pior. A imensidão sobre sua cabeça lhe causava arrepios, principalmente estando sentada em um lugar tão... instável. Se desequilibraria mais facilmente ainda.

Ficou parada um tempo, decidindo para que ponto olhar. Percebeu que manter a cabeça reta e os olhos baixos não lhe trazia aquela sensação... horrível. A cabeça girava, tudo ficava preto, o coração acelerava...

Tum. Tum. Tum.

Ela se virou e revistou a mochila. Tirou algo de lá e, lentamente, esticou uma perna para baixo. Depois se arrastou para frente co…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…