Pular para o conteúdo principal

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.

Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.

Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e crianças chorando enquanto o chão racha aos seus pés, ver pessoas na Europa que não tem dinheiro, não tem emprego, nada, porque seu país faliu... ver as guerras, ver a desigualdade, ver a violência, ver a destruição do planeta.

Eu me recuso a crer que ao ver tudo isso você prefira continuar em seu sofá, criticando os manifestantes seja lá onde estejam, porque uma meia dúzia de idiotas quebraram um vidro ou porque o grupo todo parou um trânsito (que talvez nunca tenha sido bom). Recuso-me a acreditar que você não sinta nenhuma vontade de dar às pessoas que sofrem a oportunidade de ter pelo menos um pouco de condição e dignidade, pelo menos um pouco do que você tem (por mais utópico que a ideia de um mundo totalmente equilibrado possa ser)... Pois, caso você nunca tenha sentido isso, eu simplesmente só posso dizer que tenho pena e que você continuará em seu sofá reclamando, pois aqueles que querem mudar o mundo não irão parar.

Já você que sente algo... aconselho a se reunir à multidão e gritar a uma só voz.

As coisas nunca começam pelo clímax. Tudo tem que ter um estopim, um princípio em algo menor, algum detalhe que serviu de gota d'água... É então que isso servirá de incentivo para cada vez mais e mais, para uma revolução.

Eu não quero ser a pessoa do sofá. Tenho sede de mudança. Quero estar com a multidão que já ergue seus copos. Serei mais um dos vários rostos... E não é que houve uma multidão de rostos coloridos de tinta que marcou a história um dia?


Eu apoio a causa das manifestações ao redor do Brasil contra o aumento das passagens do ônibus (que não são só por isso), a favor de um transporte público digno e decente, que faça com que os trabalhadores não se sintam abusados. Três reais por um ônibus quente, cheio de gente em pé, inseguro e que ficará horas no trânsito, é muito.

Por isso, fiz um texto na voz de um manifestante.

Eu poderia fazer um texto debatendo o assunto, argumentando, dando meu ponto de vista. Mas eu quis mostrar minha sede e meu orgulho. Me emociono em ver o povo acordando. Posso vê-lo se espreguiçando, coçando os olhos e ficando perplexo com o caos ao seu redor. Ele vai se levantar e querer arrumar a bagunça e é isso o que me dá orgulho: ver as massas de pessoas nas ruas.

Para aqueles que não sabem da história completa de tudo o que está acontecendo, no caso de São Paulo, todos os lados da história, existem inúmeros lugares para você ver. Indico: "Momentos dos protestos que você não verá na tv", "Não é sobre 20 centavos" e "Feridos no protesto em São Paulo", todos resumindo bem os vídeos, fotos e depoimentos mais importantes sobre tudo isso. Inclusive, este depoimento é do dia 11, não 13, e mostra que o movimento é pacífico desde o começo, mas que só foi anunciado assim depois que os jornalistas apanharam também. Além disso, algo que provavelmente não será noticiado é isso aqui.

Por último, quero deixar claro que só estou apontando lugares com conteúdo variado mostrando diversos fatos e escrevendo um texto sobre como gosto do fato de que o mundo não está inerte. E, mais especificamente, que o Brasil está deixando de o estar.

Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Leite com Vodka

Sua bebida favorita sempre foi leite. Aquele líquido branco e um pouco denso, que bebês adoram. Bebia com tudo: chocolate, morango, groselha... Era um bebedor. Seus lanches não eram feitos sem leite. E se não o bebia, misturava em algum outro ingrediente. Sucrilhos, frutas batidas. Nutritivo da cabeça aos pés. O alimentava por dentro e ele consumia com orgulho.

Então cresceu. Você sabe, quando crescem eles mudam os interesses. Não mais desenhava os programas que via. Agora via apenas a parede do quarto e festas banhadas a vodka. Ah, a vodka. Virou sua bebida preferida, com toda certeza. Aquele cheiro forte no líquido transparente, que jovens usam para se mostrar descolados. Bebia com tudo: frutas batidas, sucos, refrigerantes, sem nada. Virava uma dose e outra. Descolado da cabeça aos pés, na moda, inteiramente parte do grupo.

Mas a vida não era só Leite ou Vodka. Pelo menos não mais. Foi em mais um dia de Vodka que a encontrou. Ela lhe sorriu e ele se aproximou. Parece que foi à …

Outro Estranho na Janela

Leia a primeira parte dessa história: Um Estranho Na Janela
Texto para a oficina criativa do colégio, inspirado na imagem de uma edição do Bloínquês que não consegui participar porque não consegui escrever o texto a tempo.
Dedicado aos Chapeleiros e Alices do mundo.
O sol dourado de outono brilhava a meio caminho do chão. A moça sentava-se em uma telha mais macia, no telhado de sua casa. Usava um vestido confortável e tinha os pés descalços. Largou o pequeno livro amarelo que lia no peitoril da janela e viu as árvores se espreguiçarem.

Nas casas ao redor, cachorros latiam para os donos que chegavam mais cedo. Crianças vinham sorrindo da escola. Um dia comum e pacato.

Alice gostava de sentar-se no telhado desde a noite em que seu irmão disse ter visto Papai Noel na janela. Fora tão surpreendente ouvir Felipe dizendo aquilo, já que ele costumava ser tão chato e estraga-prazeres, que seu passatempo virou sentar-se no telhado e esperá-lo.

Mas um dia todos crescem e Alice parou de acredit…