Pular para o conteúdo principal

Gotas Secas Em Um Rosto


Lágrimas secretas que caem no escuro da noite, lentamente, solitariamente, deliberadamente. Pingam, sem rumo, sem sentido, desfocadas. Apenas pingam e o mundo não sabe que elas existem. Talvez nunca saiba. Mas elas estão lá, secando em alguma bochecha, e mal sabem elas o porque de estarem ali.

Por quê? Por que elas estão ali?

Mal e mal elas caem pensativas e refletem sobre vidas finitas, eras que se foram, fotos velhas em baús de memórias pouco abertos. Elas sabem que há muito precisavam sair para encontrar o mundo, mas sua espera foi longa, atrasada pela inconveniência.

Quando caem, descobrem que lá fora é escuro, a noite é fresca, a janela está fechada, o céu está limpo. Descobrem cadernos iluminados por uma luz fraca e uma canção sobre um encontro. Um sonho.

E elas caem e caem e continuam em sua insignificante existência, sem saber muito bem o que fazer. Elas não podem mudar nada. Não vão trazer de volta nada perdido e muito menos adiantar o que há de vir.

O mundo transborda de solitárias lágrimas guardadas. E, por agora, estas pequenas lágrimas são tudo o que aquele rosto que chora pela canção e por muito mais precisa. Assim, até a mais tímida dessas pequenas gotas, mesmo que não saiba, pode acalentar um mundo. O mundo de quem a chora.

Comentários

  1. personificar as lágrimas. uma metonímia, uma sinédoque, uma relação tão íntima que se faz natural... mas ainda assim não é usual. personificar as lágrimas foi uma ideia genial. muito bonita. belo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário quase me fez chorar KKKKKKKKK fico realmente lisonjeada e feliz por ter gostado, mesmo achando "genial" forte demais rsrs Muito obrigada mesmo ;)

      Excluir
  2. Ai que triste. :(
    Ficou lindo, incrível, mas intenso, marcante.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  3. Oie Linda, tudo bem?
    Passando aqui para agradecer sua visitinha em meu blog e também para te convidar para ver o primeiro videotag do meu blog. Espero que goste e que opine.

    E outra coisa, dizer para você que estou seguindo o seu blog, poderia me seguir também e curtir minha fanpage ? Ficarei muito grata !

    Outra coisa, eu li seu texto e alguns outros do seu blog e simplesmente amei. Você quem escreve? Ou vc pega de algum lugar? Nossa, são lindos e bem reflexivos algumas coisas.

    Pode ter certeza que passarei mais vezes aqui para dar uma olhada nisso. Se cuida minha querida e fica com Deus
    Ficarei te aguardando lá no meu blog

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Silvana!

      Todos os textos do blog foram escritos por mim mesmo :) se algum dia acontecer de eu pegar de algum lugar, eu darei os créditos. Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado, espero que volte mesmo ;)

      Farei uma visita ao seu blog em breve.
      Bjos

      Excluir
  4. Muito lindo o texto, baita intenso. Adorei!

    bj

    ResponderExcluir
  5. CARAMBOLAAAS! MINHAS LÁGRIMAS AQUI, CHORAM :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…