Pular para o conteúdo principal

Uma História de um Gato


Era um gato ruivo de personalidade única. Não era um Garfield da vida, acho eu, mas ficou famoso pela invenção de uma nova posição de Yoga, que fazia ao dormir. Uma pena que o mundo não a conheça, é realmente boa para a coluna.

Nunca conheci o gato, mas contaram-me a sua história. Vivia com muitos gatos na casa de seus humanos. E um dia He-man (sim, o nome do bichano era esse) fugiu. Constituiu família com uma gata, parece, porque não voltou durante um bom tempo. Quando o fez, ficou pouco tempo em casa e foi embora novamente.

Mas a beleza da história está naquele encontro. Este ilustrou minha imaginação durante anos.

Assim como Ri (apesar de ser inspirado no personagem do desenho e portanto o apelido ter que ser escrito como "He", eu realmente imaginei a vida inteira escrito como "Ri") criara uma posição de Yoga, ele tinha um caminhar todo característico. Ele parecia rebolar, todo gingando.

E eis que a sua dona mais chegada a ele caminhava pela rua, atravessando a via férrea, muitos meses depois de seu sumiço. Ela olha para o lado e vê um gato ruivo, gingando, andando ao longo da via.

- Ri! - ela berra.

O gato vira-se e é como aquelas cenas de filme, em que um corre na direção do outro para um abraço. Em minha cabeça, ele primeiro mia, baixinho, dizendo "mamãe", antes de correr. E aí vem o abraço saudoso. Dona e gato, novamente juntos, em uma tarde qualquer, no meio da linha do trem.

Acho que ele voltou para a rua. Não quis ficar em casa. Mas, para onde quer que tenha ido, ele com certeza nunca esqueceu-se de sua família. E é isso o que importa.


Esse texto existe graças a esta tira e, claro, aos maravilhosos pets da família que povoaram minha infância com as histórias que me foram contadas.

Comentários

  1. que brisa, lelê. hahah eu ri XD
    sooooooooooooool shuashsauhauh
    bem-vinda ao mundo dos remédios, lelê. que sua inflamação no ouvido dure \o/ (pera, eu não quis dizer isso. ah,cê entendeu u.u)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…