Pular para o conteúdo principal

A História de Tudo


Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se como notas de uma canção que há muito é tocada de novo e de novo, sem fim. Uma canção sem fim. Um punhado de notas pré-existentes e tantas combinações, tantas possibilidades. Sem jamais se repetir. Jamais. Um quadro com uma palheta e cores se misturando, uma sobre a outra, e nenhuma nuance sendo exatamente igual a anterior. Uma sucessão de palavras que nunca dizem o mesmo, nunca são o mesmo.

E ali estão, todas as combinações espalhadas pelo tempo e espaço se recombinando para formar
novas coisas. Tudo é parte do cosmos e o cosmos é parte de tudo. Uma coisa só. Pensamento tão vasto este que se perde em meio à toda a matéria moldável com formas infinitas.

Em uma dessas formas havia sete bilhões de outras formas, mais tantos outros bilhões e bilhões que são, que foram e sabe-se lá quanto mais seriam. Coisas. Pessoas. Seres. Pequenos universos perambulando por aí.

O universo sangrava naquela esquina de um planeta, de uma esquina de uma galáxia, de uma esquina de toda a criação. Sangue de diamantes e pó estelar.

Passou por ali um cão feito de meteoro e uma família feita de cauda de cometa. Passou um ônibus carregando sistemas solares completos.

"Estive correndo. Por muito tempo" disse o universo feito de Salgueiro, pegando um pouco de pó lunar para limpar as gotas no joelho do universo de Nébula. "Correndo de que?".

Sem saber responder, olhou para o céu. Nuvens de Van Gogh pintaram-se cobrindo as estrelas feitas de Audrey Hepburn e Gene Kelly que brilhavam em algum lugar. Piscou seus olhos de Júpiter e disse, por fim "correndo da mais bela verdade da existência". O universo feito de Nébula, com o joelho quase sem sangrar agora, perguntou então: "Qual seria esta verdade?".

"Infinito. O Universo, nós, a calçada, aquele cão, aquela árvore, tudo. Infinitos, em diferentes formas
e tamanhos e irrepetíveis para todo o sempre." Prendeu seus olhos de planeta nos outros de floresta bem à sua frente. Um trovão ressonou dentro de si e sentiram, enfim, o que era uma colisão de galáxias de verdade. "Não posso", continuou, "desperdiçar um segundo de minha infinitude".

Ergueu um dedo de Sócrates e inspirou, fôlego de Napoleão. Tocou o rosto à sua frente, o qual sorria um sorriso de Mona Lisa, olhar de ressaca. Como poderiam imaginar, como qualquer um poderia imaginar... Um encontro em uma esquina perdida, uma reviravolta no curso das coisas. O caleidoscópio girava mais uma vez e, imediatamente, surpreendentemente, aquelas duas coleções sublimes tornaram-se se uma: infinita enquanto existissem, unida enquanto pudessem. Sob o sol das histórias de Dédalo e à sombra das árvores de pedaços cósmicos, pisando um chão que poderia ser Plutão... Contribuíram para a vasta história de tudo com um verso. Consumaram o efeito mais belo que o quebra-cabeças estelar poderia criar, nascido deles como botão em flor, com um dourado beijo de Klimt.

Este texto surgiu depois de ficar inspirada com o que Caitlin Moran escreveu sobre o universo, o que me fez lembrar de uma frase de Doctor Who e de mais algumas frases sobre infinitos. Então, acho justo ressalta-los aqui. 

Comentários

Postagens mais visitadas

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um lí…

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

As minhas Bienais do Livro

Mais um ano de Bienal do Livro de São Paulo passou por aí. Mais um monte de dias de livros, autores, leitores, cosplays, cenários e brindes.

Um dia em que fui eu.

Depois de um longo tempo sem ter vontade e energia para ler e escrever, comecei a voltar para este universo, pouco a pouco. Escrevi aqui e ali, voltei com o blog e comecei a ler um livro no meu Kobo.

Aí veio a Bienal e fiz minha listinha. Compraria coisas para dar aula e HQs que queria há muito tempo. Não achei as HQs, não comprei livros para dar aula, comprei outros que sempre quis ou que me interessei na hora. Comprei jogos. Comprei colecionáveis.

Mas a parte mais legal foi interagir com autores e leitores e divulgar o por-fora. Cumprindo, de certa forma, o que prometi há tanto tempo...

Vamos passear um pouco pelas minhas Bienais.

Há oito anos, quando estava no Ensino Médio, fui com a escola em minha primeira Bienal. Rendeu alguns livros, um botton que amo muito (eu coleciono e amo demais) e muitas fotos épicas com os amig…