Pular para o conteúdo principal

Peões

Hoje, somos peões.

Na grande batalha da humanidade por um passo a mais, um nível a mais em direção à utopia que imaginamos, nós somos os peões.

Há sangue. Há dor.

Há a busca pela aceitação. Somos um. Um grande pequeno pedaço de um enorme universo. Isso é lindo. Isso é esquecido. Enterrado abaixo de muita sujeira e palavras de dor, de culpa, de ódio.

Há busca pela verdade. Porque mentem e enganam, ou porque muitos se intitulam proprietários das respostas para tudo e aqueles que creem nessas respostas lutam cegamente por elas. Ou mentem e enganam e tiram dos outros tudo aquilo que têm.

Busca-se dignidade. Busca-se justiça. Busca-se orientação.

Há a destruição de tudo o que se vê. Tudo o que existe em perfeito equilíbrio na grande engrenagem da vida... desequilibrada, e não há remorso por isso. Há morte, há destruição e não há quem veja que destruir o meio é destruir a si.

Destruir o próximo é destruir a si.

Uma palavra de ódio. Um galho arrancado. Uma liturgia mal pregada. Um líder mal eleito. Um caminho mal escolhido.

Destrói. A si.

E a grande questão é que para dar o passo, precisa haver caos.

Como sair do caos se não se enxerga a saída?

Há a dor. Ninguém sente a dor. A dor do outro é apenas do outro.

Quem vai aprender sobre tudo isso? Quem vai sentir tudo isso?

A cada tempo há um novo grupo de engrenagens colocados na máquina do mundo. Eles são responsáveis por empurrar, a seu modo, o mundo para frente. O cosmos não liga como. O cosmos não liga se você vai pra frente, de qualquer forma. Mas nós sim. Os que sentem. Os que aprendem. Os que veem.

As engrenagens têm escolhas e, a trancos, empurra o mundo.

Existe caos. As engrenagens de agora são de grande transição entre o status quo e a nova era. Elas são os peões e escudos para trazer todas as novas para seus lugares.

Elas tomam os tiros, as flechadas, elas sangram por dentro e por fora.

Mas elas veem amor. Elas veem esperança. Há tudo aquilo mas há tanto mais. Há um sorriso a noite no escuro, com piadas bobas, e um beijo na bochecha pela manhã, com risadas tolas, e um abraço ao entardecer, com saudades e um coração aquecido.

Elas, em seus lugares a que escolheram pertencer, em suas lutas que escolheram ou não lutar, dizem para as outras:

Lute suas batalhas. Não importa quem vá contra, em meio ao caos do pó deste enorme campo, vá em frente. Faça o que precisa fazer. Erga o pé para o próximo degrau.

Lute suas batalhas até o fim.
Bem vinda de volta, Lutadora.
A todos os que não desistiram de empurrar esta autora para frente e fazê-la crer que deveria lutar. A todos os que, há muito ou há pouco, inspiram as palavras que escrevo: Obrigada por acreditarem

Comentários

Postagens mais visitadas

Então... Um Rosto na Multidão

Eu quero lutar. Você não vai me ver parar. Porque eu sei que o mundo precisa de mudanças e elas precisam começar de algum lugar, mesmo que seja por causas menores (ainda que não existam causas menores). Você não vai me ver desistir, você me verá batalhando.
Posso ser apenas mais um rosto na multidão, mas é exatamente isso que quero ser, porque é isso que uma multidão é: um monte de rostos, bravos, querendo algo mais. Então, venha ser mais um rosto na multidão ativista, e não na passiva. Seja mais uma voz gritando seus direitos.
Não é possível que você não se incomode. Mesmo que sua vida esteja boa, assim como a minha, que você possa estudar, ter seu emprego, ter sua comida, comprar suas coisas (não tudo o que você quer, mas uma coisa ou outra), não é possível que você olhe para o mundo em sua tv ou computador que você lutou para comprar e não sinta nada ao ver... ver como há pessoas que não tem comida e água e que estão doentes, ver pessoas na seca do sertão com o gado morrendo e cria…

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…