O que você precisa saber como professor iniciante

Você acabou de se formar e conseguiu seu primeiro emprego como professor, ou você tem algum conhecimento o qual pode dar aula sobre sem licenciatura e vai começar a carreira. Você está em um ambiente novo e do outro lado de onde passou a maior parte da vida - a sala de aula. E só há um pensamento em sua cabeça: o que eu estou fazendo aqui? Depois: o que estavam pensando quando me deixaram entrar aqui?

Tenho uma novidade para você: se você está lá algum mérito tem e se está preocupado com isso é só mais um sinal do quão competente você é. Sério mesmo. Se você se preocupa se é bom o suficiente significa que você é o tipo de pessoa que sabe o que sabe e entende que precisa melhorar o tempo todo. Este é o primeiro passo para ser um educador excelente.

Existem tantos fatores para ficarmos tensos, não é mesmo? Eu já estive nesse lugar há alguns anos atrás. Não sentia que havia aprendido o suficiente com o treinamento, achava que todos eram infinitamente melhores que eu e que estavam loucos de me contratarem. "Não vou conseguir ensinar esse povo!". Isso é ansiedade e é absolutamente normal em uma experiência muito nova e absolutamente tratável se atingir níveis muito exagerados (o que poderia ser um transtorno de ansiedade).

De uma pessoa que sentava e estudava, perguntava suas dúvidas aos colegas e questionava a todo momento se estava no lugar certo, aprendi o suficiente para hoje ajudar a treinar novos colegas em meu trabalho e tranquiliza-los ao vê-los passando o sufoco do "o que eu faço?". Por isso, hoje eu vou contar para você, professor iniciante, algumas coisas que são essenciais de se ter em mente!

Seja humilde quanto ao seu conhecimento

Você não é a última bolacha do pacote. Seu conhecimento esta lá e deve ser compartilhado, mas ele não é infinito. Se você não sabe, ou não tem certeza que sabe, simplesmente assuma! Ninguém vai te julgar. Na verdade, é muito melhor assumir e buscar a informação do que criar uma bola de neve com uma mentirinha ou saída pela tangente. E isso não vale só para seus alunos te fazendo perguntas: seus colegas não merecem conviver com uma pessoa que passa o tempo todo querendo parecer melhor que todos. Pega leve!

Pergunte e pesquise

Algum problema com o método ou burocracia da escola? Dúvidas do que fazer a seguir com seu aluno particular? Não se recorda de um conteúdo ou não entendeu aquele trecho? Pergunte para algum colega que possa te ajudar com isso, ou para o coordenador (caso esteja em uma escola). Eles já estiveram em seu lugar, lembra-se? E é bem capaz de eles eventualmente te perguntarem coisas também. Além disso, você cria uma rede de confiança e companheirismo na qual você sabe que conseguirá apoio sempre, inclusive para ter novas ideias e materiais. Se naquele exato momento você não consegue falar com ninguém, pesquise! Além dos bons e velhos livros você tem uma coisa hoje em dia chamada Google, sabia?


Trabalhe a paciência

"Ai, não tenho paciência" é uma frase que não pode sair da sua boca. E, se sair, não pode refletir um comportamento: você tem que ser paciente para dar aula (e, caso trabalhe em uma escola, com seus colegas também!). As criaturas que serão seus alunos vão fazer muitas coisas que te testarão até os confins do universo. Lições de casa caóticas, bagunça, piadas fora de hora, falta de vontade, o que for: lidar com alunos é testar a si mesmo e os limites do seu auto controle. Como sempre tendi a ser paciente, foi relativamente mais fácil para mim, mas com o tempo entendemos quais atitudes são gatilhos para a irritação, que nível de stress atingimos para ficarmos impacientes, etc. É importante que você se observe e reflita como você responde aos outros e, sempre, cuide de si com momentos relaxantes para extravasar.

Algo que aprendi sobre paciência é que determinados grupos precisam de um momento de pressão de vez em quando, então se você é "legal demais" controle isso: você é o líder e quando os alunos precisam de uma bronca, dê. Mas faça-o com classe. Falar grosseiramente não ajuda ninguém. Apenas faça-os entenderem que comportamento está errado e qual a solução. Normalmente, durante as aulas, lido de forma humorística com os alunos. Você verá a seguir.

Você e seus colegas estão no mesmo barco

O que é muito importante lembrar é que todos os problemas, aflições e contratempos de um professor acontecem com absolutamente todos os outros. Claro que fatores externos muito diferentes (trabalhar com estrutura versus trabalhar em um lugar sem recursos) te afetam de diferentes formas. Mas estamos todos no mesmo barco: precisamos compartilhar nosso conhecimento com alunos muitas vezes desmotivados ou desatentos, com dificuldades a serem superadas, de alguma forma criativa... E todos podemos e devemos nos ajudar. Encontrou uma atividade legal? Compartilhe! Descobriu uma técnica para planejar aulas de forma mais eficiente? Mostre aos outros! E quando você chegar em sua sala e um colega estiver sentado com um café e montes de provas empilhadas, com olhar de desespero, ofereça uma ajuda - nem que seja um ombro amigo!

Organização é a chave

Você tem centenas de papéis (trabalhos, provas, lições) para corrigir, mais outros tantos corrigidos e ainda alguns diários de classe para atualizar, notas a lançar, aulas e atividades para preparar... isso sem contar com seus horários! Amigo, você precisa se organizar, nem que seja só um pouquinho. Sua vida fluirá de forma mais fácil, leve e produtiva e você terá menos uma coisa com que se estressar - que seria o seu cérebro esquecendo as coisas. Mas como fazer isso?

Você pode ter uma agenda, planner ou bullet journal (também conhecido como bujo). Agenda, a clássica, não funciona com muita gente. Se for este o seu caso, talvez um planner ou bujo seja mais compatível com você. Se você é muito "desencanado" e sempre sentiu que a agenda tem folhas demais e você quase não as usa, vale a pena testar. Eu uso um híbrido dos dois. Se você quiser que eu explique cada um e, também, como uso o híbrido, me conte nos comentários!

Se você não é uma pessoa do papel, o mundo digital tem inúmeras opções de aplicativos de organização para você testar, fuçar e se acostumar. O Google Agenda é uma primeira opção muito boa, a qual uso também, além do Keep: um app para anotações rápidas e que você pode categorizar com cores e tags, muito útil mesmo. Outro muito bom que uso é o Trello, um aplicativo que também funciona no navegador do PC, em que você cria um quadro com cartões e listas de afazeres. É muito bom para organizar tarefas, ideias e informações, além de você poder fazer um planejamento e conectar as datas do Trello com sua agenda. É fantástico. Se quiser testar, clique aqui.

E outra etapa muito importante da organização é a de seus materiais: compre uma pasta para separar e guardar seus papéis, mantenha seus materiais arrumados para sempre saber onde encontrá-los e busque um sistema que seja natural e confortável para você.


Seus alunos são pessoas 


Lembra o que falei da paciência? Ela é necessária porque, pasme, seus alunos são pessoas! E há uma tendência a fazer burradas ou se sentir perdido, exatamente como você. A diferença é que, para eles, você é o líder que vai ajuda-los a se encontrar. Por isso, se você identificar um problema (seu aluno não faz a lição de casa, por exemplo), apresente a solução. Mostre a eles o que eles podem fazer para melhorar, e como. Não adianta apontar a falha sem ajudar, certo?

Além disso, como pessoas, eles têm interesses e personalidade. Conecte-se com eles perguntando o que gostam de fazer, quais seus hobbies, onde trabalham ou estudam, quais seus sonhos e planos. Isso os fará confiar em você e fará com que você tenha material para mantê-los conectados a aula. Como? Seus alunos gostam de Vingadores e você é professor de física. Você pode criar uma atividade conectando o conteúdo ao que os personagens fazem no filme! Você é professor de Inglês e sua classe ama programas de comida, como Master Chef. Mostre um episódio em inglês e depois faça uma aula de culinária no idioma!

Mas, sem precisar criar grandes atividades, em um dia a dia tranquilo você pode começar a citar os assuntos de interesse dos alunos ou seus sonhos como forma de captar a atenção deles. E, o mais importante, mostrar que se importa com eles neste nível cria uma relação interpessoal forte, que faz com que eles vejam você como exemplo e com respeito. Afinal, para ser líder, você deve merecer e entender as pessoas ao seu redor; e seus alunos são sua equipe no processo de aprendizagem.

Tenha uma aula ativa

Não falei a toa das atividades: sustentar o ânimo na aula é importante para que seus alunos mantenham o foco. Dê tempos de descanso para as cabeças deles, mas calcule-os bem, e apresente o conteúdo de forma que todos estejam ativos o tempo todo. Se você tem, por exemplo, adolescentes quase dormindo, mude o tom de voz, imite personagens, faça-os dançar a Macarena cantando o conteúdo, você decide. Mas agite as coisas, o mínimo possível, para que eles mantenham o interesse por meio das surpresas. E, muito importante: cuidado com a conversa, e não digo só a dos alunos. Se você falar demais, a aula vai embora! Mantenha o cálculo do tempo na cabeça a todo momento!

Crie a sua persona 

Criar sua persona é importantíssimo, especialmente se você é tímido, como eu. Você pode observar pessoas cuja personalidade e trejeitos você acha legais para uma aula e descobrir quais você possui que podem ser usadas ao seu favor. Descobri que podia usar de um humor leve, quase abobado, quase que sem querer. Criei jargões (naturalmente, testando no dia a dia) e montei uma persona muito... feliz. Alguns alunos até perguntam "nossa mas como você está tão animada a essa hora?" e eu falo "se eu não estiver, vai todo mundo ficar que nem zumbi aqui e não dá certo, meu filho". Já ouvi de quem me conhecia antes que eu sou bem diferente dando aula, mas a verdade é que é uma questão de sobrevivência: você descobre traços de personalidade escondidos dentro de você para conseguir fazer daqueles momentos agradáveis para todos. O importante é que seja autêntico. Não force ser alguém que você não é.


Se divirta - mesmo quando parecer difícil

Sabe todos os obstáculos citados? Passe por cima deles. Você deve chutar os obstáculos para longe, lembra? Tá com raiva? Faz uma piada e ri. Tem um bolo enorme de lição? Compete com seus coleguinhas quem está na pior. Vai por mim: não importa se você conhece montes de professores, sua família está cheia deles, você passou a vida toda ouvindo um monte de coisas horríveis sobre estresse em dar aulas, ainda existem os momentos que valem a pena. Esses momentos, os que fazem você rir do fundo do peito, são o que vão dar impulso para você passar por mais um dia e sair de lá, no final, muito mais forte do que antes.

Dar aula é a arte mais sublime do ser humano. Você está entrando em um mundo novo de descobertas e aprendizado. Seja bem vindo e aproveite a viagem, muito. Seja a mudança no mundo.

Espero que estas dicas te ajudem e, se precisar de mais, pode deixar nos comentários e, claro, seguir o blog - vem muito mais por aí. E se você é veterano já, como foi sua experiência de iniciante e o que você acha importante de se ter em mente?




Comente com o Facebook:

1 Comentários

Obrigada pela visita! Deixe um comentário e compartilhe com os amigos!