Pular para o conteúdo principal

Sobre Letícia Wilhelm

Meu nome completo é gigante (Letícia Martins da Quinta Barbuy Wilhelm, um chocolate pra quem decorar e falar direito). Sou de Santos (SP) e de Dezembro de 1993. Faço Letras (Português-Inglês) e pretendo ser poliglota (estudo Italiano e outras duas línguas que acho lindas e adoraria aprender são Alemão e Russo). Faço também Web Design. Um dia serei super especialista em algo das Letras, não sei exatamente o que (linguística, literatura e idiomas me atraem, não dá assim).

Quando era criança e me perguntavam o que seria quando crescesse (principalmente quando era lição de casa desenhar o que você queria ser), eu dizia "escritora, jornalista, protetora da natureza e vegetariana". Sempre fui "protetora da natureza" (o que, mais tarde, descobri que se chamava "ativista"), há um bom tempo sou escritora e há dois anos sou vegetariana. Vamos ver no que dá o jornalismo. Dizem que a escrita e o jornalismo dentro de mim foram herdados do meu avô (jornalista e dramaturgo), e talvez seja isso, não sei. Só tomei consciência absoluta de que devia seguir isso de verdade lá por volta dos treze ou catorze anos, e logo depois criei o blog.

Amo ler. Amo demais, mais do que é saudável talvez, e a fase mais triste foi quando pararam de me dar livros porque cansaram. Ainda bem que agora retomaram o hábito (hehehe). Enfim, dos livros aprendo sobre a vida e faço parte de outros mundos, mas também absorvo algo no sentido da escrita... assim, tenho influências de alguns autores lindos, cada um em um sentido (todos amplos). Os mais inspiradores e que mudaram minha vida são JK Rowling e Markus Zusak, além de vários outros de literatura (Tolkien, Cabot, Snicket, Riordan, Collins, Orwell, Verne, Brontë, Austen, Lewis...), cronistas brasileiros (Sabino, Veríssimo, Scliar, Drummond, Rubem Braga...), e poetas diversos (Dummond novamente, Lispector, Pessoa, Florbela Espanca...).

Estou escrevendo um livro, que está realmente se desenvolvendo.
Gosto de, no tempo livre, tocar violão, comer chocolate e ver da janela a chuva caindo. 

Foto de um vídeo criado para ilustrar sonetos de Florbela Espanca.

Se você estiver se sentindo nostálgico, leia a "bio" antiga e enorme aqui.

- Leia minha primeira "entrevista"! Clique aqui para ler (a primeira é sobre "escrever", as outras entrevistas foram sendo feitas depois).
- Quer outras entrevistas minhas nada a ver com escrever? Aqui e aqui (esse tem um pouco a ver com escrever).

Comentários

Postagens mais visitadas

A História de Tudo

Havia uma rua, com árvores, e alguém a atravessava. Tudo ali era um pedaço de Universo.
Um pedaço da vasta história de tudo.
A pessoa que a atravessava. O chão. As árvores. O vento que soprava.

Cada átomo e molécula uma combinação de combinações em uma grande e infinita caixa de peças de montar. Encaixe como queira. Pegue um pouco de estrelas, um pouco de dente de sabre, um pouco de cometas, um teco de folhas de hortelã. Ali vai uma bicicleta.

Cada canto para o qual olhava, via uma infinidade de possibilidades.
Não viu aquela galáxia, velha conhecida, colidindo consigo.
No chão, riram. Ondas se propagando por todo o espaço. Ergueram-se. Sorriram.

Era nébula. Nefertiti. Pétalas de rosa e gotas de mar do pacífico.
Era asteroides. César. Marfim e casca de salgueiro.
A vastidão da amazônia na imponência de Júpiter, olho no olho.

O Universo. É. Simplesmente. Desde quando começou a ser. Sem mais, sem menos. Apenas reorganizando-se como uma lista de pensamentos, uma sucessão de pastas. Combinando-se…

Saudade

Saudade.

Saudade de palavras. Saudade de sonhos. Saudade de segurar em uma caneta e caçar palavras para compor sonhos. Saudade de ver as palavras e sonhos de outros.

Saudade.

Saudade de ânimo. Saudade de aprender. Saudade de aprender com ânimo, todos os dias, dia após dia. De sentir paixão pelo que se aprende.

Saudade.

Saudade de acordar. Saudade de sentir. Saudade de acordar e sentir que há muito para se ver. De então ver a vida e senti-la.

Mas a maior saudade é de quando não havia cansaço. Este cansaço de tudo. E desejar que passe, e desejar que escoe. Para que então voe de volta para o que se tem saudade.

Saudade, por fim, de quando o mundo não era cansado e feio, mas sim feito... de sonhos, palavras e paixões... e do ânimo exuberante que tocava cada alma que nele habitava.

Saudades...

Sobre os meses sem novas postagens

Estudar é difícil. Você tem que usar seu tempo para isso e acaba não dando a atenção que devia para as outras coisas da sua vida, no meu caso, a escrita. E meu blog.

Então, o motivo para meu sumiço absoluto é esse (além de alguns acontecimentos no meio do caminho que sugaram minha força de vontade). Porém, estou ajeitando o caminho para voltar, talvez não com tudo ainda, mas voltar.

Preparem-se, "Letícia is coming".

Dentro em breve novas postagens, algumas de alguns textos escritos ao longo do ano e outras de textos escritos agora. E é isso aí.

Obrigada pela atenção!